O nome do blog "Vidasemvoltas" mudou para Japão Cultura e Turismo

Qual a diferença entre templos e santuários do Japão

Muitos ainda desconhecem as diferenças entre otera (templo) e jinja (santuário), citando geralmente todos como templo.
Como são duas religiões diferentes e, portanto, as práticas também são, é bom saber identificá-los para comportar-se adequadamente dentro deles, quando fizer uma visita.

Apesar de já ter mostrado algumas particularidades diferentes entre as duas estruturas religiosas do Japão em outras postagens, seguem abaixo, as diferenças entre elas. 
Não se trata de falar sobre as complexidades das religiões e sim, das identificações se se trata de um templo budista ou santuário xintoísta, que vou mostrar através de experiências, visitando esses locais sagrados japoneses.
No entanto, a única particularidades que posso falar sobre a religião é que no budismo o deus consagrado é o Buda e no xintoísmo é Amaterasu, que podem estar representadas por divindades diversas, como por exemplo da Deusa da Misericórdia no budismo e de Inari, no xintoísmo. 
Templos são budistas e santuários são xintoístas. Por isso, tenho utilizado, em postagens, a expressão templo budista e santuário xintoísta.

Nas postagens >>> Templos Budistas do Japão e >>> Santuários xintoístas do Japão, mostrei as origens de cada um deles, no entanto, é comum que alguns edifícios e tradições de um templo estejam em um santuário e vice-versa.


Antigamente, templos e santuários se misturavam em terrenos e em detalhes, até que o governo exigiu, através de uma lei de 1868, a definição de xintoísta ou budista. Por isso, antigos templos ou santuários contém edifícios, portais ou portões, em sua área, que confundem a distinção.


Edifícios comuns em templos ou santuários

Independente das origens, algumas instalações de templos ou santuários podem estar em ambos, que não ajudam muito na identificação.

temizuya local de purificação simbólico, tem origem xintoísta. Todo santuário tem, porém é encontrado em alguns templos budistas.

O sino é característica de templo budista, podendo ser encontrado em santuário xintoísta. 
Omikuji <<< - clique para saber o significado - e as placas  Ema <<< clique se ainda não leu -  são encontrados em ambos, tanto em templos ou santuários. 
Omikuji, imagem acima, são os papéis da fortuna e presos em locais próprios em templos ou santuários.
Abaixo, placas Ema, onde se escrevem desejos ou agradecimentos por graças recebidas.

Torii (portal xintoísta) pode ser encontrado em templo budista.
Sanmon (portão de templo budista) pode ser encontrado em xantuário xintoísta.
Como citei acima, templos e santuários se misturavam. Verifique o que está em primeiro plano. Um santuário xintoísta pode ser identificado através do torii, que está fora da área, como o Fushimi Inari Taisha, na imagem abaixo.
Pagoda ou pagode é de origem budista, no entanto, é encontrado em santuário. O mais famoso, imagem abaixo, é o Chureito Pagoda, parte do Santuário Arakura Sengen.

Outro exemplo é o Santuário Tōshōgū. Para acessá-lo, primeiramente está o portal xintoísta, no entanto, existem pagode e portão budistas. Prevalece a primeira edificação e, nesse caso, o torii, portal xintoísta.
Abaixo, portão de entrada de Tōshōgū, santuário xintoísta com um portão Sanmon, de origem budista.

Nomes de templos ou santuários

Em geral, os nomes de templos budistas são terminados em ji, dera, porque o kanji 時, pode ser lido como ji ou otera, que significa templo. Na junção ao nome, a palavra "otera" muda para "dera".
Em nomes populares, os templos budistas podem ser acrescidos de "in" ou "kannon".

Santuários xintoístas tem a terminação "jinja", "jingu" ou apenas "gu" e "taisha"
Em nomes populares podem ter a terminação "inari".

O importante é saber o nome formal e não o popular, pois, muitas vezes, as terminações em nomes populares confundem. 
O nome formal é um dos identificadores de templo ou santuário.

Vale ressaltar que ambos, templos ou santuários, tem diversos edifícios internos e, independente de budismo ou xintoísmo, leva o nome de "santuário interior", mas não denominados "jinja" ou "jingu", geralmente com o sufixo "in", pequeno santuário. No caso, o santuário é utilizado como local de orações ou agradecimentos.

Como identificar um templo ou santuário, veja as características principais:

• Pelo nome oficial

Falei inicialmente que as terminações Jinja, Jingu,Taisha, Inari são de santuários xintoístas e Ji, Otera ou Dera, In e Kannon são de templos budistas.
Mas existem templos que tem nome popular terminado com Inari, como é o caso do Toyokawa Inari <<< (clique para comparar ou ler, se ainda não leu) e é um grande exemplo de um templo budista com todas as características xintoístas.
No entanto, o nome oficial é Myōgonji e tem primeiramente um Sanmon (portão budista) e depois um torii (portal xintoísta). Ainda existem temizuya e raposas como guardiães, de origem xintoísta.
Portanto, as terminações valem para o nome oficial, escrito sempre em japonês.

• Estátuas

Em templos budistas são usadas decorações douradas e estátuas budistas ou Buda.

• Pelos trajes dos responsáveis pelo templo ou santuário

Todos os monges, inclusive em formação, usam uma espécie de manto chamado kesa.
Geralmente se vestem com o manto preto, mas as cores variam de acordo com a seita, posto ou grau de formação e ocasião.
Monges ou monjas tem a cabeça raspada ou cabelos curtos, bem rentes.
Em templos, é comum ouvir sutras e celebrações em qualquer época, que são, geralmente, particulares. É um templo budista.

Sacerdotes ou sacerdotisas que circulam em santuários xintoístas usam roupas conforme imagens acima e abaixo. As sacerdotisas sempre se vestem nas cores branca e laranja.
Em lojas de santuários, sacerdotes e sacerdotisas são os atendentes. Diferente de templos budistas em que são funcionários, em trajes normais, ou, raramente, pelos monges.

• Pela forma de oração

Em templo budista = oração silenciosa.
Em santuários, = os fiéis tocam um sino e batem palma antes da oração.


Quer saber mais sobre o Japão? Curta a >>> fanpage.
Alguns eventos no Canal >>> YouTube.
Siga-nos também no Instagram e no Twitter.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Onde doar roupas usadas no Japão

Ameixeira, cerejeira, pessegueiro, quais são as diferenças entre essas flores?

Dino Adventure, o Parque de Dinossauros de Nagoya

Lenda japonesa: A Tecelã de Nuvens

Yakudoshi, as idades consideradas perigosas no Japão

A arte contada em arte, por Lucille Kanzawa

Shichifukujin, os 7 deuses da sorte do Japão

Lenda urbana do Japão: garrafas pet com água repelem gatos

Guarda-chuvas da amizade, o empréstimo gratuito de guarda-chuvas no Japão

Ilha de Takeshima, em Gamagori, Aichi