Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2015

Ameixeira, cerejeira, pessegueiro, quais são as diferenças entre essas flores?

Imagem
Está chegando a primavera. É quando as belas e parecidas flores rosas começam a desabrochar, uma atrás da outra, a primeira em fevereiro, a segunda em março e, no final de março até abril, as cerejeiras. Lembrando que o clima pode interferir nas previsões, antecipando ou atrasando a florescência.
Também começam as confusões com a identificação ou com o nome das flores, pelas cores e algumas semelhanças.
Saiba como identificar essas 3 belas flores, ligeiramente parecidas:

- Ameixeira - Ume 梅 A primeira a florescer é a ameixeira. Particularmente, dessas 3 flores, gosto mais da ameixeira.
O período de florescência previsto das ameixeiras é o mês de fevereiro.
Ameixeiras não tem caule e as flores brotam diretamente dos ramos. Cada junta no botão tem apenas uma flor e é relativamente espaçoso.
As pétalas são arredondadas. - Pessegueiro - Momo 桃 A previsão de florescimento é março, como todas as flores. As árvores do pessegueiro são mais baixas, geralmente apresentam este formato. As flores cr…

Nanzenji - templo Nanzen - e o aqueduto, em Kyoto

Imagem
Difícil dizer exatamente quais são os melhores lugares de Kyoto pra visitar, já que dentre tantos templos, santuários e castelos, em cada um dos pontos turísticos existem peculiaridades diferentes, porém esta é mais uma que recomendo: templo Nanzen.
Localizado próximo ao Santuário Heian - há uma rota do jinrikisha entre o santuário e o templo - é um dos mais 5 mais importantes do zen budismo de todo o Japão.
Com uma história imperial ligada à religião, este templo que hoje faz parte do zen budismo, foi morada do Imperador Kameyama, que reinou durante os anos 1249 a 1305 e construiu seu palácio no ano de 1264. Quando o Imperador se tornou estudante do zen budismo dedicou o palácio como templo, no ano de 1291. Contam que o Imperador entrou no sacerdócio zen, a fim de exorcizar o castelo, pois muitas coisas estranhas aconteciam por lá. Depois que passou a exercer, as aparições e fatos estranhos cessaram.
O templo faz parte da linha Rinzai, uma das 3 escolas do zen budismo e a mais rigorosa.

A couve no Japão

Imagem
Pasmem! Nem todos os japoneses conhecem a couve, nem mesmo como verdura. Quando tentei comprar sementes de couve que, em japonês, chama-se   ケ−ル em um home center, nenhum dos funcionários sabia o que era. Expliquei que era uma verdura de folhas largas, cujo nome era derivado do inglês Kale, mostrando uma foto da net e dizendo que era muito usado em sucos verdes, mas mesmo assim não reconheceram. Não tinha naquela loja, mas sei que existem sementes à venda no Japão.

Por incrível que pareça, embora a couve tenha sido trazida ao Japão na era Edo, juntamente com repolho, brocolis, e outras verduras, não é muito conhecida.
Couve de folha, couve manteiga, há quem chame de couve japonesa. A verdade é que existem diversas espécies da couve.
Crua, cortada em tiras fininhas consumida como salada, ou refogada - acompanhando feijoada ou não - são as formas mais utilizadas na culinária brasileira e em diversas partes do mundo, comum no cotidiano.
Localizá-las em uma prateleira de supermercado, com…

Kimono Foresuto, Floresta do Quimono, da estação Randen Arashiyama Kyoto

Imagem
Uma estação de trens que é atração em Kyoto: Randen Arashiyama. Além da famosa floresta de bambus, existe uma segunda, ainda não tão famosa, porém tão bela, localizada na estação de Arashiyama, Kyoto. "Dar um ar fresco à estação, mantendo a antiga tradição" foi a ideia desta segunda floresta de Arashiyama.  O objetivo era, também, de dar uma nova vida à estação, localizada próximo à ponte Togetsukyō, enquanto se aguarda o trem. Kimono Foresuto, ou Floresta do Quimono, é o nome do local que conta com 600 pilares de acrílico medindo 2 metros de altura, enfileirados, inspirado na floresta de bambu de Arashiyama, na estação conhecida popularmente como Randen, linha Keifuku.

Instalados em 2013, na renovação da estação,os pilares agrupados receberam o nome de floresta. Em cada um desses pilares, há uma estampa diferente em 32 padrões têxteis, tingidos no tradicional estilo Kyō yūzen, nascida em Kyoto. A iniciativa partiu da antiga empresa de fabricação têxtil Kamedatomi - que remonta à …