Última postagem

Tradições do Novo Ano, o hatsumode em Sensoji, Tokyo, Japão

Antes desta primeira postagem do ano, saúdo para que tenham tido boas entradas, expressando meus sinceros desejos de que 2013 traga muita paz e alegria a todos.

Como não pude fazê-lo como sendo a última do ano que passou, ausente da net pela rápida viagem que fiz a Tóquio - e que postarei gradativamente - deixo agora minha mensagem de Ano Novo:
Na postagem anterior, comentei sobre as culturas do pré ano novo japonês. Nesta, comentarei um pouco das tradições da virada do ano e os hábitos dos primeiros dias do ano.

. Virada do ano
 Na virada do ano, através da tradição e religiosidade, os japoneses tem o hábito de ir aos templos para fazer o culto das 108 badaladas.
Os badalos simbolizam os pecados humanos, na crença budista. Acreditam que o toque dos sinos pode livrar os pecados do ano anterior.

Quem fica em casa, pode assistir Kohaku-Utagassen pela TV.
Show e luxo no campeonato de música - que tem participação de artistas populares - "Festival da Canção Vermelho e Branco" - , onde homens defendem a cor branca e mulheres, a cor vermelha.

Os que planejam uma viagem, escolhem onsen, parques onde possam assistir ao hanabi da virada. Grandes parques com resort, fazem o hanabi e muitos vão assistir à queima de fogos na virada.

Primeiro dia do ano e os "primeiros"

Tradição do primeiro: tudo que se inicia bem é um bom sinal. Assim como o primeiro nascer do sol, primeiro riso, primeiro sonho, primeira letra...

Hatsuhinode é o primeiro nascer do sol. Japoneses se dirigem às costas ou regiões montanhosas para obterem as vistas mais lindas. Muitas vezes acompanham simultaneamente o hatsutsuki, ou seja, primeira lua do ano.



Crianças recebem o otoshidama - presente em dinheiro - acondicionados em pequenos envelopes decorados, os pochibukuro, que podem ter desenhos animados, populares. Não existe um valor específico, no entanto, depende da idade da criança e é uma quantia em que não se sinta menosprezada.



Waraizome é o primeiro riso do ano. Começar o ano com riso é bom sinal.

Hatsuyadori é a primeira troca de letra.

Poesias como haikai e renga e caligrafias também fazem parte da cultura do Ano Novo japonês.

Existem ainda o Shigoto-hajime ou primeiro trabalho do ano novo e o keiko-hajime ou primeiro treino, além de muitos outros menos populares.

Hatsugama significa primeira cerimônia do chá.

Hatsuyume é o primeiro sonho.
Existem várias teorias com diferentes significados.
O shogun Tokugawa Ieyasu dizia que sonhar com Monte Fuji, falcão ou berinjela é bom sinal, pelos seguintes significados:
- Monte Fuji é montanha mais alta do Japão
- Falcão é inteligente e forte
- Berinjela: escrito no ideograma japonês kanji - nasu ou nasubi 茄子, sugere alcançar algo grande.

As comidas tradicionais no Ano Novo japonês são o osechi-ryori e sopa com mochi acrescentado de outros ingredientes, que variam conforme a região.

. Hatsumode

Hatsumode é a primeira visita a um santuário ou templo.

As diferenças entre um santuário xintoísta ou templo budista estão no próprio nome.
Budista é templo. Xintoísta é santuário.
- Templos budistas terminam sua denominação sempre com "ji" como é o caso de Sensoji, através do kanji 寺, que significa templo.
Em inglês, não muito diferente do português, através da terminação Temple.
Templos budistas geralmente tem pagode em suas construções.

- Santuários xintoístas terminam com "jinja" ou "jingu", que significam santuário e xintoísmo, respectivamente.
- Se estiver em inglês: shrine
Santuário xintoísta geralmente é caracterizado pelo Torii




Esta foi uma experiência pessoal que compartilho.

Estando em Tóquio, fui para Asakusa.
Um dos templos mais famosos do local é o Sensoji ou Asakusa Kannon.
Kaminarimon, símbolo do local, fica próximo ao Tokyo Sky Tree.
É uma entrada que leva ao templo budista Sensoji.
Gostei muito de conhecer a história pela qual este portão passou.
O portão original foi construído no ano de 942, em outro local denominado Komagata.
Foi reconstruído em 1635, em Asakusa.
Ao longo dos séculos, passou por várias destruições e foi queimado em um grande incêndio em 1865.
95 anos depois, foi reconstruído por Konosuke Matsushita, fundador da Panasonic.

O portão Kaminarimon conduz ao templo Sensoji, através de uma rua comercial, Nakamise.
Na imagem, é possível ver a multidão atrás, que não parava de aumentar e a Tokyo Sky Tree, aos fundos.
A área ficou organizadamente isolada para a visita ao Templo.
Atravessando o portão, um corredor de lojas de presentes, souvenirs, roupas e lanchonetes.
Um segundo portão,  Hozomon, já mais próximo ao templo.
Muitos turistas estrangeiros estavam visitando o templo neste dia.
Na imagem abaixo, o Templo e o pagode, característica de templo budista.
A multidão ia sendo liberada aos poucos, sem tumulto.
A primeira oração do ano, com muita fé
Ao lado do Sensoji está o santuário xintoísta Asakusa Jinja ou Sanja-Sama (Santuário dos três deuses).
Não era tão grande, mas havia fila. Aos fundos, o torii, característica dos santuários xintoístas
A experiência foi das melhores.

Nas diferentes culturas, a religiosidade está presente e no objetivo comum, há sempre um Ser Supremo.

Veja mais novidades sobre o Japão, curtindo a >>> fanpage.
Veja alguns eventos, inscrevendo-se no Canal >>> YouTube.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Onde doar roupas usadas no Japão

Ameixeira, cerejeira, pessegueiro, quais são as diferenças entre essas flores?

Dino Adventure, o Parque de Dinossauros de Nagoya

Yakudoshi, as idades consideradas perigosas no Japão

Lenda japonesa: A Tecelã de Nuvens

Shichifukujin, os 7 deuses da sorte do Japão

Ilha de Takeshima, em Gamagori, Aichi

Guarda-chuvas da amizade, o empréstimo gratuito de guarda-chuvas no Japão

Lenda urbana do Japão: garrafas pet com água repelem gatos

Festival de Tulipas de Nabana No Sato, Nagashima, Mie