Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

A vinda, a volta e a vitória

Imagem
Um belo exemplo de determinação - veio para o Japão com um objetivo - volta ao Brasil para colocar seu sonho em prática e torna-se um vencedor: Edgard Matsuki!


Sabia que tinha algo nele, de não-sei-o-quê - apesar de não julgar pela aparência e muito menos pelo avatar - desde que começou a me seguir no Twitter.
Com um certo ar de timidez, ou pouco sorriso, também pouco tuitava e, em seu perfil: estudante. No início, pensei que era mais um curioso pela cultura japonesa, percebendo sua descendência nipônica.
Não havia nenhum link em seu perfil, mas ele também tinha um blog, aliás, vários.
Como de costume, retribui o follower, mas demoramos a interagir.
Não lembro exatamente quando, depois de algum tempo, ele pediu informações e indicações de pessoas que moravam no Japão, para uma matéria.
Soube então, que antes mesmo de se formar em jornalismo, fazia free-lancers para sites destinados à comunidade nipo-brasileira: NippoBrasil, do Brasil e IPC, do Japão.
- Em uma conversa recente, diz ser mui…

Lenços de papel no Japão: ao invés de sujar, limpar

Imagem
Quem não conhece esta caixinha? Lenços de papel, igual no mundo todo.
No Brasil, eu tinha uma caixinha dessa na mesa de trabalho, quando estava com gripe. Não era um produto dos mais acessíveis e, até por isso, alguns colegas usavam papel higiênico, substituindo esses lencinhos.
Acessíveis, são vendidos em pacotões no Japão. Servem como guardanapo, substituem os lenços de pano que os japoneses consideram anti-higiênicos. É um produto presente no dia-a-dia dos japoneses.

Existem os pequenos pacotes de bolso que além das utilidades citadas, é também um grande quebra-galho, caso não encontre papel higiênico em banheiros públicos: são distribuídos nas ruas com função de marketing.
Panfletagem nas ruas chega a ser menor que a distribuição desses lencinhos no Japão.
Em geral, panfletos são distribuídos em domicílios, evitando sujeira nas ruas, muito embora - por questão de consciência e educação - não tenham hábito de atirar lixo ao chão.
As caixas de correio quase sempre ficam assim.
Em gra…

お母さんありがとう Mãe, eternamente grata!

Imagem
A você, à sua, à minha mãe...
Seja homem... mulher, mas sempre MÃE!

Sem muitas palavras para descrever e agradecer, dedico estas frases de Gibran Khalil Gibran, que expressam sentimentos de amor e gratidão entre mãe e filho:
“Ser mãe é ajudar o filho a largar a chupeta e a mamadeira.
É levá-lo para a escola e segurar suas mãos na hora da vacina.

Ser mãe é se deslumbrar em ver o filho se revelando em suas características únicas, é observar suas descobertas.
Sentir sua mãozinha procurando a proteção da sua, o corpinho se aconchegando debaixo dos cobertores.

Ser mãe é ler sobre uma tragédia no jornal e se perguntar: - ... e se tivesse sido meu filho?

Ser mãe é descobrir que se pode amar ainda mais um homem ao vê-lo passar talco, cuidadosamente, no bebê ou ao observá-lo sentado no chão, brincando com o filho.
É se apaixonar de novo pelo marido, mas por razões que antes de ser mãe consideraria muito pouco românticas.

Ser mãe é ouvir o filho falar da primeira namorada, da primeira decepçã…

Hanko ou inkan, os carimbos de assinatura no Japão

Imagem
Minha assinatura no Japão é pronta, consistente, cilíndrica e minúscula, carrego-a sempre, na bolsa ou no bolso e ainda, posso pedir para que, sob minha vista, alguém faça por mim. Guardo num estojinho colorido e bonito. Combina perfeitamente com os espaços para assinatura, na maioria dos documentos japoneses, que são minúsculos.
Creio que, por isso, tanto minha letra, como a assinatura gráfica, não são mais as mesmas. A letra deve-se ao fato de que, há muito tempo não escrevo manualmente, o hábito foi substituído pelas teclas. Minha assinatura mudou bastante, até mesmo ao renovar passaporte, que ainda devo usar pela forma ocidental, de próprio punho. Ainda bem que existem profissionais na área da grafoscopia que podem autenticá-la, caso necessite.
No Japão, minha assinatura foi substituída... por um carimbo. Sim, no Japão não se assina, ou melhor, ela é feita através de carimbo, adquiridas até em lojas de 100¥ no Japão - similar às lojas de R$1,99 no Brasil. Mostruário de carimbos prontos…