Última postagem

Por que os japoneses usam máscaras? Máscara no Japão: respeito social


Por que os japoneses usam máscara?
Sabia que ainda fariam esta pergunta, principalmente agora que o Japão está sendo bastante divulgado e visto no mundo inteiro.
Antes mesmo do terremoto/tsunami, a mídia brasileira mostrava a encantadora cultura, tradição e tecnologia japonesas.
Era grande a procura sobre esses assuntos, principalmente através de sites de vídeos.
Depois da tragédia no nordeste do arquipélago, os acessos a essas redes aumentaram consideravelmente.
Não é raro, nesses vídeos, aparecerem japoneses usando máscaras cirúrgicas. A princípio, imaginam que seja pela prevenção à radiação, porque a máscara também tem a função de conter a poeira radioativa. A hipótese não está errada em determinadas áreas, mas inicialmente, o motivo é outro.

Cheguei no Japão, em um domingo à noite.
No dia seguinte, a caminho de uma loja de conveniência, vi uma senhora usando máscara.
Logo imaginei que ela teria feito algum transplante. Lembro que, quando ainda estava no Brasil,  o marido de uma amiga havia submetido a um transplante de rim e, após a alta, saía às ruas somente de máscara. Outros casos em noticiários e até novela de TV, os que tiveram feito algum transplante usavam máscaras para se protegerem dos micróbios.
No entanto, a caminho e dentro do mercado, percebi que havia muitas pessoas usando máscaras e cheguei a comentar com uma pessoa que estava há muito tempo, que me disse que os japoneses usavam máscaras quando estavam gripadas.


Confesso que não gostei muito da idéia, pois achava um tanto anti-estético.
Com o tempo fui me acostumando e descobri que eu também deveria usar caso contraísse gripe, porque os japoneses usam máscaras por questão de respeito e eu também deveria respeitá-los.

Há muito tempo havia pensado em postar sobre o uso da máscara no Japão, porém por ser tão comum, achei que seria um assunto banal. Até que amigos que moram no Brasil perguntaram porque os japoneses usam máscaras cirúrgicas.


Cultura asiática

A prática do uso da máscara é adotada na Coreia do Sul, China e muito mais comum no Japão.

No Japão, o uso da máscara iniciou no século 20, há um século atrás.
As primeiras máscaras para uso industrial, foram feitas no Japão, em 1879.

Uma epidemia da gripe espanhola, entre 1918 e 1920 - o mesmo vírus H1N1 de 2009 - chegou ao Japão em 1919.
Desde 1919, ameaçados pela gripe espanhola, que matou 390.000 pessoas no Japão, os japoneses passaram a usar máscaras e, desde então, tornou-se comum.

Além disso, o governo emitiu cartazes assustadores, recomendando o uso das máscaras: "Cuidado com os germes causadores de frio! Você está arriscando a sua vida, se você não usar uma máscara!"
Como a demanda das máscaras era grande, a qualidade diminuiu para aumentar a produção.

Passada a epidemia, puderam melhorar seus projetos, com filtros mais eficazes e substituindo as armações de arame por celulóide. O arame fica na parte superior da máscara, que serve para moldar no nariz, sem deixar frestas.

Em 1934, após um novo surto da gripe, as máscaras começaram a se popularizar.
A cada surto, as máscaras melhoravam a qualidade e tornavam-se mais populares.

Após a II Guerra, com o crescimento econômico e a expansão da silvicultura, o Japão passou a plantar enormes florestas de cedro, que causou outra epidemia: alergia ao pólen do cedro. Isto fez aumentar a demanda da máscara.


A alergia ao pólen, chamada de kafunsho é causada no início da primavera.
Como o Japão tem muitos ciprestes, nesta época ocorrem inúmeros casos de febre do feno ou polinose, causadas pelos pólens do sugi e hinoki.


Os japoneses acham que não podem transmitir doenças, mas também não podem faltar ao trabalho.
A intenção não é apenas de auto-defesa, mas de minimizar danos aos outros.

É questão de respeito social e serve como proteção contra o frio e o kafunsho.

Desde crianças oa japoneses são conscientizados da importância do uso da máscara.
A OMS advertiu que não há provas de que as máscaras não propaguem doenças em ambientes comunitários, e que usá-los indevidamente pode ser mais perigoso do que não usar.
O Ministério da Saúde do Japão afirma que, dependendo do modelo e da qualidade, a propagação é evitada em entre 95% e 99,9% dos casos.

Em 2009, com a gripe suína, muitos paises aderiram ao uso da máscara, inclusive no Brasil.
Mesmo sem confirmação de caso da gripe suína no Japão, lembro que alguns modelos - preventivamente - haviam sumido das prateleiras, segundo um colega de trabalho.


Modelos

Por ser uma peça comum no Japão, as máscaras estão à venda em qualquer comércio além das farmácias.
Lojas de conveniências, mercados dispõem de grande quantidade e modelos diversos.
Modelos são bem variados, bem como os preços


Quantidade por pacote, tamanhos adulto e infantil

Existem, embora ainda pouco usados, modelos estampados e coloridos

Fotos do site Rakuten



Hoje em dia, as máscaras tem outras utilidades para as jovens: esconder a maquiagem "vencida", ou seja, por exemplo, quando o batom já saiu da boca, etc...

Comentários

MA FERREIRA disse…
Ola!!

Muito interessante esta postagem.
Pais onde ha respeito com o outro.
Todos deveriam ter esta preocypação.

Um bj
leninha disse…
Oi querida Leh,
É muito importante esta preocupação com o próximo,admirável mesmo.Se todos fossem iguais a você(s)...
Bjssssss,
Leninha
Van disse…
Oi Leh,

adoro as suas postagens, nos explicando os hábitos e a cultura japonesa em textos tão agradáveis e leves, com informações tão completas, me abasteço de informações sempre que passo por aqui. Obrigada!

Um beijo carinhoso
Sissym disse…
Leh,

Isso é cultura, um povo educado tem bons princípios de convivencia coletiva.

Nunca me esqueço quando minha filha era pequena, com receio de perde-la num shopping comprei uma "coleira infantil", melhor, um peitoral infantil. Então, quando minha sogra viu aquilo... nossa... disse cada coisa horrorosa. E hoje, passados poucos anos, muitas pessoas usam mesmo, sabem que é mais seguro.

É questão de inteligencia tambem.

Beijos
Malu disse…
Um país que pensa em seus habitantes é um país desenvolvido. Afinal ninguém é mais importante do que ninguém. Todos temos que aprender que somos peças de uma mesma engrenagem e que funcionmos em sincronia. Muito boa sua postagem...
Abraços
Ilca Santos disse…
Olá Leh querida,
Antes, peço desculpas pela demora do meu retorno, tenho andado meio devagar nos últimos dias. Quero agradecer suas palavras de conforto e carinho e dizer que fiquei feliz com suas visitas. Muito obrigada! Saiba, que também sinto muito pela sua grande perda, somente nós sabemos o tamanho da nossa dor, mas Deus nunca nos abandona e nos dá forças para prosseguir.
Excelente sua postagem! É sempre muito bom conhecer novos costumes, novas culturas. Adorei!
Deus a abençoe sempre!
Um beijo no coração.
Muito boa a matéria sobre as máscaras, eu mesmo quando cheguei aqui em 97 achei muito estranho usa-las, mas como fui trabalhar em uma fábrica de fibras de vidro era inevitável deixar de usar para minha segurança e não pegar doenças. Hoje em dia já viu hábito. Excelente explicação !

Abraços
Anônimo disse…
Olá...Eu sou adepta a máscara,desde que eu trabalhei numa fábrica de keitai(era obrigatório o uso) em 2004/2005 acho,como usava máscara dentro da fábrica,tinha resolvido usar na rua(na época achava estranho sair de casa assim),mas depois que usei,eu sempre saio de máscara,até no verão eu uso.....kkkkkkkk bom que aqui ninguém fica te olhando torto por estar usando máscara.....já virou parte da rotina,do dia-a-dia.... :)

Postagens mais visitadas deste blog

Onde doar roupas usadas no Japão

Ameixeira, cerejeira, pessegueiro, quais são as diferenças entre essas flores?

Dino Adventure, o Parque de Dinossauros de Nagoya

Yakudoshi, as idades consideradas perigosas no Japão

Lenda japonesa: A Tecelã de Nuvens

Shichifukujin, os 7 deuses da sorte do Japão

Ilha de Takeshima, em Gamagori, Aichi

Guarda-chuvas da amizade, o empréstimo gratuito de guarda-chuvas no Japão

Lenda urbana do Japão: garrafas pet com água repelem gatos

Festival de Tulipas de Nabana No Sato, Nagashima, Mie