O nome do blog "Vidasemvoltas" mudou para Japão Cultura e Turismo

Em tempo de Natal... coisas que só Deus explica!

Não foi com a queda do Lehman Brothers que tudo começou! Estava perceptível que a crise já estava instalada bem antes. Essa queda foi só uma consequência dos rombos que os grandes países enfrentam.

O que tem a ver isso que eu disse com o título da postagem? Realmente, nada! Na verdade gostaria aqui de contar um pouco da minha trajetória nestas ilhas.

Minha trajetória até aqui tem sido movida pela crise. Dizem que entramos numa batalha pela dor ou por amor. Não sei ao certo, mas para mim foram as duas coisas.

Desde o final do ano passado, passei a carregar a bandeira da solidariedade. Primeiro pela dor sim, afinal meu marido havia sido dispensado do emprego, em função da crise. Foram poucos os demitidos, mas ele trabalhava na linha só de japoneses. Os japoneses são agraciados por serviços mais leves ou setores com menos serviços. Era uma linha que produzia para os Estados Unidos, mas há muito tempo a produção havia baxado.



E foi aí que criei uma Comunidade no Orkut: SOS Desempregados no Japão . Na época, a crise em pico, muitas coisas acontecendo simultaneamente. Nunca foi vista tamanha crise e quanta coisa aprendi.
Apesar de não ser tudo, conheci algumas coisas básicas de normas trabalhistas e também me vi muito impotente. Não poder tomar atitudes pelo fato de sermos estrangeiros e, vinculados a empreiteira, também dependíamos da moradia. Então não pude buscar meios legais, por algumas coisas que fizeram errado com ele, porque as coisas também podiam tomar rumos piores, já que eu continuava na fábrica.
E assim fui, postando e compartilhando com a ajuda dos membros da Comunidade o que ficávamos sabendo, principalmente com relação às vagas.
Infelizmente, não tinha vagas de empregos. A crise gigantesca, acabou com vagas não só para brasileiros, mas até de japoneses. A crise foi aumentando muito! E continuamos juntos nos informando, buscando alternativas para superá-la.

Bem, às vésperas do Natal passado, a comunidade foi matéria da Revista Alternativa, uma das mídias impressas brasileira aqui. Não sabia a importância, mas fui enquadrada no artigo sobre Solidariedade.
Eu saí junto com a matéria do pessoal (brasileiros!) que distribui sopão nas praças de Nagoya.



Surgiram boatos diversos e, lamentavelmente, muitas verdades sobre a crítica situação de brasileiros por estas ilhas. Cada vez mais, a crise tomando conta. Precisava mostrar a todos a situação dos brasileiros destas ilhas, não todos, mas um grande número.

Passei a usar meu perfil no Orkut, que faço até hoje, para mostrar a situação, postando vídeos sobre a crise. Mas isso não me satisfazia. Até que resolvi criar um Canal no YouTube


No Canal solto o meu grito:


Bem, as coisas mudaram um pouco. Após o término do ano fiscal no Japão, alguns empregos voltaram a aparecer.
Já víamos alguns anúncios, as revistas brasileiras também começaram a engrossar anúncios e seus cadernos de empregos. Fábricas estavam readmitindo, alguns retornando ao antigo local de trabalho.


Todos foram afetados pela crise, embora eu estivesse empregada, passei a trabalhar 5 horas por dia, durante 4 dias na semana. Num país em que somos remunerados por horas trabalhadas. Nesse período, aproveitei para fazer alguns atos voluntários. Fiz algumas ajudas moral e financeira.

Deus sempre recompensa àqueles que fazem o bem. Não faço as coisas pensando em ser recompensada, mas senti a mão abençoada, porque meu marido, embora não descendente, nem fala o idioma, ficou apenas 2 meses desempregado.

As consequências da crise ainda acontecem.

O que eu quis mostrar aqui tem seu início na reportagem da revista.

Dia 12 foi minha primeira experiência junto aos homeless japoneses.
Hoje estou efetivamente ao lado desse grupo, em presença e espírito. Do papel para a realidade. A experiência contarei na próxima postagem.

Comentários

Ainda não vi a reportagem, vou pegar a revista. Mas já deixo aqui os meus parabéns e que bacana a revista valorizar quem "realmente põe a mão na massa".
O NEC de Gifu era dirigido pelo Leon e Simone, meus primos. Agora estão no Brasil, mas estão bem.
Boa semana Leh. E espero que seu exemplo faça eco na cabeça vazia de muito bras por aqui...Bjos
Oi. Eu li q a matéria é do ano passado. É que eu não li pegava a revista antes.
Na biblioteca local tem as revistas Alternativa. Sempre vou lá pq tem bastante material em português, dai aproveito pra dar uma lida rs.
Bjos.
Se 50% dos brasileiros que vivessem aqui seguissem o seu exemplo concerteza a convivencia da comunidade no Japão seria bem melhor. Como o amigo Alexandre disse, "tomara que seu exemplo faça eco na cabeça de muito bras", que geralmente fica o dia todo reclamando, criticando.
Quando entramos em alguns sites brasileiros muitas vezes dá até desânimo e desgosto de ver somente comentários de calúnia um com o outro e críticas nada construtivas. Não vejo esse tipo de coisa em comunidades de outros países. Mas quando entramos no vidas sem voltas, aprendemos uma lição de vida.
Parabéns pelo trabalho!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Onde doar roupas usadas no Japão

Ameixeira, cerejeira, pessegueiro, quais são as diferenças entre essas flores?

Dino Adventure, o Parque de Dinossauros de Nagoya

Yakudoshi, as idades consideradas perigosas no Japão

Lenda japonesa: A Tecelã de Nuvens

A arte contada em arte, por Lucille Kanzawa

Shichifukujin, os 7 deuses da sorte do Japão

Guarda-chuvas da amizade, o empréstimo gratuito de guarda-chuvas no Japão

Ilha de Takeshima, em Gamagori, Aichi

Lenda urbana do Japão: garrafas pet com água repelem gatos